Archive for the ‘Itália’ Category

Statuses

(between travel!) When the travel REALLY begins?

In Europe,Fotografia,Italy,Itália,Life,Malta,Photography,Travel,Viajar on September 29, 2012 by "Our traveling without moving!..." Tagged: , , , , , , , , , , , , , , , ,

…even being difficult to admit… The truth is that we’ve always envy (in a healthy way, please) of those people who are always traveling… Oh, such an idyllic life!… There are so many things to see… So many places to go… So much to discover… That we would do it everyday!

…but, actually, we DO travel every and each day! YES, we do!… And I love so much how it sounds that I will say it again: we travel every day!

We travel, not only in the strict sense of the word – intended to be understood as the simple act of moving from one place to another – but, in a wider perspective: the complete journey, the inspiration taken from a movie, a book, a conversation… We, constantly, move in time and space, creating images and dreaming about a new trip, the next adventure… And that is also traveling (although, without moving!).

Now, although we’re still in our blogging headquarters (AKA home sweet home!) we feel like the travel had already begun: reading about places and curiosities, searching photographs and documentaries, consulting maps and itineraries, booking flights and hotels, packing (mentally) our small bags… And, starting, the sweetest countdown to the airport…. Destination: the Mediterranean isles of Malta and Sicilia!

...welcome to the Mediterraneo

_______________________________________

…apesar de ser difícil de admitir, a verdade é que sempre temos inveja (de forma saudável, por favor) daquelas pessoas que estão sempre a viajar… Ah, que vida idílica!… Há tantas coisas para ver… Tantos lugares para ir… Tanta coisa por descobrir… Que, se pudéssemos, o faríamos todos os dias!

… mas, a verdade, é que, mesmo assim, viajamos em todo e cada dia! Sim, é mesmo!… E gosto tanto como soa que vou tomar a liberdade de dizê-lo novamente: viajamos TODOS os dias!

Viajamos, não apenas no sentido estrito da palavra – que entende-se como o simples acto de deslocação de um lugar para outro – mas, numa perspectiva muito mais ampla: toda a trajectória, desde que surge a inspiração através de um filme, um livro, uma conversa… Viajamos constantemente, no tempo e no espaço, criando imagens, sonhando com novos locais, próximas aventuras… E, isso, é também viajar.

Agora, embora ainda estejamos no nosso escritório principal (i.e. “lar doce lar!”), não conseguimos evitar o sentimento de já ter iniciado a viagem: o facto de ler sobre lugares e curiosidades, pesquisar fotografias e documentários, consultar mapas e itinerários, reserva voos e hotéis, fazer (mentalmente) as nossas pequenas malas de viajem… E, começar, uma entusiasta contagem decrescente para o aeroporto… Destino: as mediterrâneas ilhas de Malta e Sicília!

Statuses

(travel diary) DAY 6: Chinatown

In Asia,Chinatown,EUA,Italy,Itália,Life,New York,NY,NYC,Photography,Travel,Viajar on August 20, 2012 by "Our traveling without moving!..." Tagged: , , , , , , , , , , , , , ,

When we take a closer look to New York‘s city map, we can observe how different cultures and ethnies are spread in it, like a living melting pot: from ‘latinos’ to Indus, from Koreans to Africans, every neighborhood has a different sound, dresses a different color and… offers a different taste! A sensorial travel that only here – and without bags and ‘check-ins’ – we could experience!

For this reason, we save our day to explore the unique Manhattan’s Chinatown and, its cosy neighbor, Little Italy.

Entering Kim Lau Square is like stepping into another country… We mean: in another continent! When crossing its memorial arch – in honor to those who paid with their lives the fight for freedom and democracy – it feels like leaving NYC behind: different spaces and rhythms, different faces… And, suddenly, the english language is put aside, leading the main role the mandarin chinese in street signs, in announcements, in bright advertising, in street shops and stalls… Even McDonalds had an “Asian look”.

Walking down Mott Str. is mandatory: the street vendors selling exotic fruits, unknown vegetables (at least for us!), the veg groceries and fishmongers, restaurants offering unreadable menus – we still couldn’t identify what we’ve eaten (but it was… yummy… delicious!) – the temples and religious centers, the shiny jewelry windowshops, the people…wow!

Without almost noticing, we get to the historic Little Italy, absorbed by the surrounding Chinatown, but keeping its identity up high in street names and its famous italian restaurants… humm… isn’t dinner time yet?

________________________________________________

Quando observamos atentamente o mapa da cidade de Nova York, podemos ver como as diferentes culturas e etnias estão espalhados nele: de ‘latinos’ a indianos, de coreanos a africanos, cada bairro tem um som diferente, ostenta uma diferente cor e… oferece diferente sabor! Uma viagem sensorial que só aqui – e sem fazer malas e ‘check-ins’ – poderíamos experimentar!

Por esta razão, guardamos o nosso dia para explorar a peculiar Chinatown de Manhattan e, a sua acolhedora vizinha, Little Italy.

Entrar na Praça Kim Lau é como entrar noutro país… Quer dizer: noutro continente! Ao cruzar o seu arco memorial – em homenagem aos que pagaram com suas vidas a luta pela liberdade e democracia – sente-se como deixando Nova York para trás: diferentes espaços, diferentes ritmos, rostos diferentes… e, de repente, o idioma Inglês é posto de lado, assumindo o papel principal o mandarim nas placas da rua, nos anúncios das paredes, nas brilhantes publicidades, nas lojas e bancas de rua… até mesmo  o McDonalds tinha uma “aparência asiática”.

Andar pela Mott Str. é um exercício obrigatório: os vendedores ambulantes, vendendo frutas exóticas e vegetais desconhecidos (pelo menos para nós!), as mercearias vegetarianas e as vistosas peixarias, restaurantes que oferecem menus ilegíveis – ainda não conseguimos decifrar o que comemos (mas foi… humm… delicioso!…) – os templos e centros religiosos, as brilhantes montras das joalharias, as pessoas… uau! 

Sem quase perceber, chegamos à histórica Little Italy, absorvida pela Chinatown circundante, mas mantendo a sua identidade bem alta ostentando-a nos nomes das ruas e nos famosos restaurantes italianos… humm… falta muito para a hora do jantar?

Photos

20111207-201856.jpg

20111207-202057.jpg

20111207-202116.jpg

20111207-202130.jpg

20111207-202142.jpg

20111207-202150.jpg

 

(travel diary) DAY 5: our day in images

Tagged: , , , , , , , , , , on December 7, 2011 by "Our traveling without moving!..."

27 Comments

Photos

As the train stops in the station, our “chronometer”, immediately, starts the count down: we only have 12 hours to spend in Milano, so… HURRY, BABY!… After leaving our luggage at the station, we took a first look at the map: the Duomo is our first stop. On our way to the metro, in each passing step, we were making a picture of the city… and, I must confess that, at first sight, the feeling wasn’t good: there were too many people harassing, pickpockets trying its luck… but, luckily, this was the only negative point and, quickly, we fell in love with Milano

In the train, we heard some women talking that the rain would come, “il diluvio, il diluvio” they were saying and we thought: “Oh, these Italians are so passionate and exaggerated” but… guess what?! They’re not! And we would only find that out when leaving (finally!) the milanese “depths” and, in a row of stairs… WOW… the Duomo, magically, appears in front of our amazed eyes under a “biblical” rain!… But who could resist to getting closer to such a magnificent view?!

And now, imagine us, facing the Duomo, alone in the middle of the huge ‘piazza’, with this tiny umbrella, just wishing (and crossing fingers) to get some nice shots, while our feet were gradually soaking in this kind of “holy” water falling from the sky?! Unforgettable!

The surrounding arcades were embracing all tourists running away from the rain, leaving the Duomo alone… – a picture that we’ll always remember – while in the near Galleria Vittorio Emanuele II is rising a new line of business: street vending umbrellas, beating, undoubtedly, the selling of renowned brands spotted there.

The rain still increasing in the outside and we were forced to stay in for more than a while and experience some shopping (cof, cof) …and walk, walk, walk and walk: that’s the best option when you’re not into spending money! 

At the end of the Galleria we meet the famous Teatro la Scala, an unavoidable landmark in the milanese culture… but we do have to avoid the visit… to avoid being all wet! With this perspective, the best we can do is to have lunch… but, as the vox populi tell, after the rain… comes sun and, happily, this was what really happened! 

So, quickly, we made our way through Via Dante till the Castello Sforzesco: an impressive citadel that houses some of the city museums and art collections with an impressive gardened surrounding – the Parco Sempione – dedicated to european writers immortalized on the name of its streets looking at the beautiful and symbolic Arco della Pace.

Passing the Palazzo della Ragione – with a shy sun trying to pass trough the clouds – we are back again to the Piazza del Duomo… where now, contrasting to the picture taken earlier, is perfectly crowded with locals and tourists seizing the moment of facing one of the most impressive gothic buildings in Europe.

The streets are now full of life and the shops in an unstoppable rhythm… The Corso Vittorio Emanuelle II is our witness…and this is Milano! In a last call for consuming, we see ourselves involved between shopping bags (and, just between you and me, it feels so good!)… The SWEETEST goodbye to the capital of fashion!

 _________________________________________________

 Assim que o comboio pára na estação, o nosso “cronómetro” pessoal, imediatamente, começa a contagem decrescente: temos apenas 12 horas para passar em Milano, de modo que… TOCA A CORRER!… Depois de deixarmos a bagagem na estação, damos uma vista ao mapa: o Duomo é a nossa primeira paragem. No caminho para o metro, a cada passo, íamos tomando contacto com o sítio e fazendo uma imagem da cidade… e, devo confessar que, à primeira vista, o sentimento não foi muito bom: um assédio de carteiristas tentando a sua sorte que nos mantinha alerta a todo o momento… mas, felizmente, este foi o único ponto negativo e, rapidamente, apaixonamo-nos por Milano.

No comboio, algumas mulheres falavam que viria a chuva, “il diluvio, il diluvio” diziam e nós pensamos: “Oh, estes italianos são tão exagerados”, mas… conseguem adivinhar?! Não, não o são! E nós só o saberíamos ao sair (finalmente!) das “profundezas” de Milão quando, após uma linha de escadas… Uau… o Duomo, magicamente, surgiu em frente aos nossos olhos espantados sob uma chuva “bíblica”!… Mas quem poderia resistir a aproximar-se desta magnífica vista?!

E agora, imaginem-nos, apreciando o Duomo, sozinhos no meio da enorme ‘Piazza’, com um minúsculo guarda-chuva, apenas desejando (e cruzando os dedos) para conseguir algumas fotografias, enquanto os nossos pés estavam ficando gradualmente encharcados neste tipo de  água “benta” caindo do céu?! Inesquecível!

As arcadas circundantes abraçavam todos os turistas que fugiam da chuva, deixando o Duomo sozinho… – uma imagem que vamos recordar SEMPRE! – enquanto na Galleria Vittorio Emanuele II aparecia um novo ramo de negócio: a venda ambulante de guarda-chuvas, superando, sem qualquer dúvida, as vendas de marcas de renome presentes nesse espaço.

Enquanto a chuva continuava a aumentar no exterior, nós vimo-nos forçados a permanecer por mais tempo na Galleria e fazer algumas compras (cof, cof)… e andar, andar, andar e andar: que é a melhor opção quando não se está em maré de gastar dinheiro!

No final da Galleria encontramos o famoso Teatro la Scala, um marco inevitável na cultura milanesa… mas cuja visita vê-se limitada para evitarmos ficar completamente molhados! Com esta perspectiva, o melhor que podemos fazer é ir almoçar… mas, como reza a voz do povo, após a chuva… vem a bonança e, felizmente, foi o que realmente aconteceu!

Assim, rapidamente, percorremos a Via Dante até o Castello Sforzesco: uma cidadela impressionante que abriga alguns dos museus da cidade e colecções de arte com uma impressionante envolvente ajardinada – o Parco Sempione – dedicado a escritores europeus imortalizados no nome de suas ruas, com vistas para o belo e simbólico Arco della Pace.

Passando o Palazzo della Ragione – com um sol tímido tentando passar através das nuvens – estamos de volta novamente para a Piazza del Duomo… onde agora, contrastando a imagem tomada anteriormente, está perfeitamente lotado com os habitantes locais e turistas, desfrutando o momento de apreciar um dos mais impressionantes edifícios góticos na Europa.

As ruas estão agora cheias de vida e as lojas num ritmo imparável… O Corso Vittorio Emanuelle II é a nossa testemunha… e isso sim é Milano!

Numa última chamada para o consumismo, nós vemo-nos envolvidos entre sacos de compras (e, só aqui entre nós,  sabe tão bem!)… E assim foi a despedida PERFEITA à capital da moda!

(travel diary) DAY 5: Milano, us and… the ‘diluvio’!

Tagged: , , , , , , , , , on November 26, 2011 by "Our traveling without moving!..."

30 Comments

Photos

20111025-192510.jpg

20111025-192539.jpg

20111025-192551.jpg

20111025-192605.jpg

(travel diary) DAY 4: our day in images

Tagged: , , , , , , , , , on October 25, 2011 by "Our traveling without moving!..."

17 Comments

Articles

(travel diary) DAY 4: Genoa, ‘la superba’

In Europe,Italy,Itália,Travel | Viagens,Viajar on October 21, 2011 by "Our traveling without moving!..." Tagged: , , , , , , , , , , ,

Arriving to Genoa, even inside its impressive Central Station, we can imagine the kind of place we are going to visit: so many people, running from one side to another, hopping on and off the trains… locals in their everyday life, tourists carrying its bags… a great city, not in vain called ‘la superba‘ – the superb – and, now we can tell you, that we weren’t wrong: Genoa is a surprising city, full of life, breathing history and art, posing as an unavoidable landmark in the Mediterranean Sea.  

Leaving the train station, we, immediately, faced Christopher Columbus – well, actually, we faced his statue – “overseeing” its hometown from the top of his pedestal. Wait… but… hometown… wasn’t he Portuguese? Wasn’t he Spanish? Leaving behind our historical questions, the walk continues and, in front our eyes, step by step, the Via Balbi appears, uncovering the ‘palazzos that once housed the richest families and, for tonight, they’re housing us!

 With some tips given in the hotel, we – just like two Columbus – set off to discover Genoa: in the way to our first stop, Porto Vecchio, we could admire the medieval legacy that this town offers, but, when we get there, to the sea, to the Mediterranean Sea and to the most incredible port we’ve ever seen, integrating the old and the new in a natural and harmonious movement, in sum, a pleasure to our eyes!

An old galleon is standing in front of us but, to get there (to take a better photography… you all know how this works!), first we have to surpass a line of street vendors… turning a simple shoot in an adventure of contortionism!

 As we continue through the promenade, we find modernism at the seaside: the aquarium, the ‘biosfera’ (a globe structure housing tropical species), an old freighter now turned into a modern bar, the ‘lanterna’ commanding its boats, the city lights reflected in the water and, the unique, “bigo”, a panoramic elevator different from anything we have ever seen, resembling giant ship masts… in one word? AMAZING!

As we continued our walk to the end of the bay, we were seduced by the genovese flavours exposed in dozens of stalls, so, making use of the tip given at the hotel and our precious pocket map, we headed to the Antica Osteria di Vico Palla… not an easy job: in a dark lost alley we found a light focusing a wooden door, so, “let’s see what we’ll find!…” was our thinking but, immediately, the moment we crossed the door – and we saw the Michelin recommendation! – we knew that this was the place! But the best was yet to come: the waiter nicely received us, telling us that, for today, they were completely full… We, arguing in our best Italian (very close to level ZERO), tried to convince him to find us a little spot just for the two of us and…YES…he got us a table, but, with one condition: we only had 1 hour before the arrival of the booking for that table… It still worth it! As we were going to the table, the waiter thought we were french and, of course, started speaking fluent french! Can you imagine our faces? Well, you have to imagine more than that: Can you imagine us babbling some phrases in (some language close to) french?! 

 Finally, in “our” table, we had the chance to meet the menu; every detail in the place was evoking the aspect of an ‘Antica Osteria’ – old tavern – even the menu card, presented in a small black board written with a piece of chalk. When we were addressed by another waiter to help us choose the best options, we spoke in english – it was enough of playing linguistics for today… Was it? The waiter, assuming that we weren’t english, told us the menu in spanish! The good thing is that we do speak spanish (later we find out that the waiter also spoke portuguese and we could have spoken our language from the first minute!). The result of our efforts: as starter, the most famous flavour in town, the pesto genovese with mandilli; as main dish, a delicious seared tuna fish and a tasty fried codfish, both musts for tasting the simplicity, but also the quality, of the region food.

Our walk continues towards the historical centre; following via San Lorenzo we are confronted with the narrow alleys – the called ‘vico’ – that were multiplied along our way. Step by step, we reach the gothic cathedral, solemnly erected in its black and white stone, protected by greatest lions.

 Between tall and majestic buildings, we reach the cultural area of the city, the ‘piazza Ferrari’. In that moment, the time stopped: we, in the heart of Genoa, admiring the great fountain, sprouting life in every drop, slowly revealing a shy soundtrack… of Tango with couples passionately dancing the argentinean rhythms, what a surprise!

The (supposed) house where Columbus was born was the next stop in our itinerary. The house or, at least, what’s left of it as nowadays we can only admire the façade. 

The actual Via Garibaldi, composed by countless ‘pallazo’ of the 16th century, has become small to house so many beauty and luxury; of course that a place like this is difficult to ignore and, the UNESCO, recognized all its grandiosity as a store window bearing the greatest treasures in town immortalized in the numerous “rolli” – mansions that received the “highest” guests – along its longitude. By night, with the low lights, the whole place still stunning: the old façades revealing its colours and reliefs are a detail of a unique beauty.

 And… with all of this grandiosity… you will excuse us but we are leaving for our royal chamber. Good night!

 _________________________________________________

 Chegando a Génova, ainda dentro da impressionante Estação Central, podemos imaginar o tipo de lugar que vamos visitar: tantas pessoas, de um lado para outro, entrando e saindo dos comboios… moradores na sua rotina diária, turistas “passeando” as suas malas, um vaivém de trabalhadores… uma grande cidade, sem dúvida, não será em vão que a chamam ‘la superba‘ – a soberba – e, agora, podemos dizer, que não estávamos errados: Génova é uma cidade surpreendente, cheia de vida, respirando história, arte e música, com uma gastronomia INVEJÁVEL, expondo-se orgulhosa como um marco incontornável no mar Mediterrâneo.

Saindo da estação, nós, imediatamente, encontramo-nos com Cristóvão Colombo – bem, na verdade, encontramos a sua estátua – “controlando” a sua cidade natal a partir do topo do seu pedestal. Mas…esperem… sua cidade natal?… não era ele português? Não era ele espanhol? Bem, deixando para trás as nossas questões históricas, a caminhada continua e, em frente a nossos olhos, passo a passo, surge a Via Balbi, desvendando “palácios” que outrora acolheram as famílias mais ricas e que, por esta noite, vão acolher-nos a nós!

Com algumas dicas dadas no hotel, nós – como dois Colombos – partimos à descoberta de Génova: no caminho para a nossa primeira parada, o Porto Vecchio, podemos admirar o legado medieval que esta cidade oferece, mas, ao chegarmos lá, ao mar, ao Mar Mediterrâneo e ao porto mais incrível que alguma vez vimos, integrando o novo e o antigo, num movimento natural e harmonioso, em suma, um prazer para os olhos!

Um majestoso galeão antigo está parado em frente de nós, mas, para chegarmos lá (para tirar uma fotografia melhor… todos sabem como isto funciona!), temos primeiro de ultrapassar uma linha de vendedores de rua… transformando o simples acto de carregar num botão numa aventura de contorcionismo!

À medida que continuamos o passeio, encontramos o modernismo plantado à beira-mar: o grande aquário e a sua “biosfera” (uma estrutura de globo que alberga aves de espécies tropicais), um velho cargueiro agora transformado num bar moderno, a ‘lanterna’ comandando os seus barcos, as luzes da cidade reflectidas na água e, o único “bigo“, um elevador panorâmico diferente de tudo que já vimos, assemelhando-se a gigantes mastros de navios… numa única palavra? FANTÁSTICO!

À medida que continuamos a nossa caminhada até o final da doca, fomos seduzidos pelos sabores genoveses expostos em dezenas de tendas, assim, fazendo uso da dica dada no hotel (e do nosso fiel mapa de bolso) fomos para a Osteria di Vico Antica Palla… mas não foi tarefa fácil: num beco perdido e escuro reparámos numa luz focando uma porta de madeira, “bem, vamos ver o que se encontra!“, pensamos, mas, imediatamente, no momento em que cruzamos a porta – e vimos a recomendação da guia Michelin – nós soubemos que este era o lugar certo!

Mas o melhor ainda estava por vir: o empregado de mesa gentilmente recebeu-nos, dizendo que, para hoje, eles estavam completamente cheios… Nós, argumentando no nosso melhor italiano (muito perto do nível ZERO), tentamos convencê-lo a encontrar-nos um lugarzinho só para nós dois e… SIM! Arranjou-nos uma mesa, mas, sob uma condição: só dispúnhamos de uma hora antes da chegada da reserva para essa mesa… mas, mesmo assim, vale a pena! Quando nos dirigíamos para a mesa, o empregado, pensando que éramos franceses, claro, começou a falar fluentemente francês! Podem imaginar as nossas caras? Bem, têm que imaginar um pouco mais do que isso: Podem imaginar-nos balbuciando frases em (qualquer língua semelhante a) francês?

Finalmente, na “nossa” mesa, tivemos a oportunidade de conhecer o menu; cada detalhe do lugar evocava o aspecto de uma ‘Antica Osteria‘ – taberna antiga – até mesmo o próprio menu, apresentado num velho quadro de ardósia escrito a giz. Quando fomos abordados por um outro empregado, na tentativa de desvendarmos o menu, falámos em inglês – achávamos nós que já bastava de brincar a linguística por hoje – mas, ele, assumindo que não éramos ingleses, disse-nos o menu em espanhol! A sorte é que falamos espanhol (mais tarde descobrimos que o empregado também falava português e que poderíamos ter falado a nossa língua desde o primeiro minuto!)… Mas obtivemos um bom resultado dos nossos esforços: como entrada, o sabor mais famoso da cidade, o pesto genovese com mandilli; como prato principal, um delicioso atum vermelho grelhado e um saboroso bacalhau frito, ambos grandes exemplos para degustação da simplicidade mas, também, da qualidade do alimento da região.

Nossa caminhada continua em direcção ao centro histórico; através da Via San Lorenzo, somos confrontados com as estreitas ruelas medievais – os chamados “vico” – que se multiplicaram ao longo de nosso caminho. Passo a passo, chegamos à catedral gótica, solenemente erigida em pedra preta e branca, ladeada por esculpidos leões.

Entre altos e majestosos edifícios, chegamos à zona cultural da cidade, a ‘piazza Ferrari’, nesse momento, o tempo (quase) parou: nós, no coração de Génova, admirando a grande fonte, brotando vida em cada gota, lentamente revelando uma tímida banda sonora… de Tango… com pares dançando apaixonadamente os ritmos argentinos, que surpresa!

A (suposta) casa onde Colombo nasceu era a próxima parada no nosso itinerário… a casa ou, pelo menos, o que resta dela, uma vez que hoje em dia só podemos admirar a sua fachada…

A actual Via Garibaldi, composta por inúmeros Pallazzo’ do século XVI, torna-se pequena para albergar tanta beleza e luxo; claro, que um lugar como este, é difícil de ignorar e, a UNESCO, reconheceu toda a sua grandiosidade, propondo-a como uma vitrina, imortalizando os maiores tesouros da cidade nos inúmeros rolli – mansões que recebiam os “mais alto” convidados – ao longo de sua longitude. De noite, com as luzes fracas, o lugar fica ainda mais impressionante: com as fachadas antigas revelando as suas cores e relevos – um detalhe de beleza única.

E… com tanta grandiosidade… vão-nos desculpar, mas, o dia já vai longo e será melhor  retirar-nos para os nossos aposentos reais. Boa noite!