Posts Tagged ‘Airport’

Statuses

(travel diary) DAY 1: Malta… welcome to the left side!

In Andalucia,Europe,Fotografia,Malta,Photography,Sevilla,Seville,Travel,Viajar on October 25, 2012 by "Our traveling without moving!..." Tagged: , , , , , , , , , , , , , , , ,

Flying over the Mediterranean Sea could be the perfect beginning of our story… well… it could be… but, what are the most annoying behaviours to have in an airplane? What can REALLY ruin a flight?
…a bad sit? Not that much…
    …a baby crying? Well, it’s just a baby, it’s more than understandable…
        …turbulence? anxiety raises… but, what can be really terrible is a bad and noisy neighbour, trust me!

Imagine this middle aged woman, imbued by the flamenco’s flavour (we were boarding in Seville), excited by the time spent under the hot andalusian sun and yelling at her elderly father, asking him to “GET LOSTTTT!!”… and, in these moments, when you figure out something like this, you immediately remember Murphy’s Law… and… it never fails! …with so many empty sits… why us? WHY US? oh, please… can anyone open the door so the lady could refresh the ideas? Oh, we’re already flying?! Perfect: so, please, can you REALLY open the door and put the lady outside?!

…then, suddenly… a calm arrived: we were approaching Malta! As we were descending, we could appreciate how ocher spots, only glimpsed from the plane, were gaining shapes and contours…

…suddenly… we could observe “the white rock” in all its splendor, in a spectacular contrast with the turquoise of the Mediterranean waters, flying over palazzos and their magnificent gardens, guessing silhouettes of monuments and churches, small towns and villages, small fishing ports and monumental ravines and, finally, landed, as the doors open, a (literally!) warm reception.

…how a small island can be so big…



From now on… the rest we would say it would be easy… or not! Renting a car to discover an island with autonomy seems always a wise option… the problem is to be able “to deal” with the traffic lane direction: welcome to the left side, baby! Driving on the left side, theoretically, wouldn’t have no trouble… but, how do these brains (in vacation mode: ON) would lose the automatic skills acquired years ago?! Easy: you just… can not! The moment we low our guard and concentration decreases… yep, here we go through the wrong way!

(now, far from the situation, we find this hilarious… but, at the time, it was such a nightmare!)



Among unfamiliar roads and roundabouts (shamefully) circumvented, we reached the spectacular Valetta… but, wait… Weren’t we going to Sliema?

Ups… I guess I’m a terrible GPS! Reversing and now, more relaxed, heading in direction to Sliema!

______________________________________________

Sobrevoar o Mar Mediterrâneo podia ser o início perfeito da nossa história… pois, podia ser…
mas, quais são os comportamentos mais irritantes de se podem ter a bordo de um avião? O que pode chegar mesmo a arruinar um voo?


…um mau lugar? Nem tanto…


    …um bebé a chorar? Bem, é apenas um bebé, é perfeitamente compreensível…


        …turbulências…? sim, a ansiedade aumenta… mas, o que pode ser realmente terrível num voo é um mau vizinho, sim, acreditem!


Imaginem uma senhora de meia idade, imbuída pela alma flamenca (estávamos embarcando em Sevilha), animada pelo tempo gasto sob o quente sol andaluz e gritando com seu pai idoso, pedindo-lhe para “FICARRR LONGEEE”… e, claro, quando nos apercebemos de uma situação destas, lembramo-nos logo da Lei de Murphy… e nunca falha! … com tanto lugar livre…  porquê a nós? Oh, por favor… alguém pode abrir a porta para que a senhora refresque as ideias? Oh, já estamos no ar?! Então, perfeito! Alguém pode MESMO abrir a porta à senhora?!

…de súbito… chegou a calma: aproximamo-nos a Malta! Conforme descendemos, apreciamos como as manchas ocres apenas vislumbradas desde o avião, ganham formas e contornos.

…de súbito… observamos “a rocha” branca em todo o seu esplendor, num contraste espectacular com as águas turquesa do mediterrâneo, sobrevoando palazzos e seus ostentosos jardins, adivinhando silhuetas de monumentos e igrejas, pequenas cidades e vilas que ganham nome, pequenos portos de pescadores, monumentais ravinas e, finalmente em terra, ao abrir as portas, um caloroso (literalmente!) recebimento.

…como o pequeno pode ser tão grande…

Chegados aqui… o resto seria, digamos que, fácil… ou talvez não! Alugar um carro para descobrir uma ilha com maior autonomia parece sempre uma opção acertada… o problema é acertar, igualmente, com a faixa em que devemos conduzir: welcome to the left side, baby! Conduzir pelo lado esquerdo, teoricamente, não apresenta dificuldade… mas como fazer estes cérebros (em modo de férias: ON) perder o automatismo adquirido há anos?! Fácil: simplesmente não dá! No momento em que baixamos a guarda e a concentração diminui… lá vamos nós de volta para o lado errado! (agora, longe da situação, achamos hilariante… mas, no momento, foi um verdadeiro pesadelo!)

Entre estradas desconhecidas e rotundas (vergonhosamente) contornadas, chegamos à espectacular La Valleta… Espera… Não íamos para Sliema? Ups… Acho que sou um terrível GPS. Inversão de marcha e, agora sim, já mais descontraídos, direcção Sliema!

Statuses

(between travel!) When the travel REALLY begins?

In Europe,Fotografia,Italy,Itália,Life,Malta,Photography,Travel,Viajar on September 29, 2012 by "Our traveling without moving!..." Tagged: , , , , , , , , , , , , , , , ,

…even being difficult to admit… The truth is that we’ve always envy (in a healthy way, please) of those people who are always traveling… Oh, such an idyllic life!… There are so many things to see… So many places to go… So much to discover… That we would do it everyday!

…but, actually, we DO travel every and each day! YES, we do!… And I love so much how it sounds that I will say it again: we travel every day!

We travel, not only in the strict sense of the word – intended to be understood as the simple act of moving from one place to another – but, in a wider perspective: the complete journey, the inspiration taken from a movie, a book, a conversation… We, constantly, move in time and space, creating images and dreaming about a new trip, the next adventure… And that is also traveling (although, without moving!).

Now, although we’re still in our blogging headquarters (AKA home sweet home!) we feel like the travel had already begun: reading about places and curiosities, searching photographs and documentaries, consulting maps and itineraries, booking flights and hotels, packing (mentally) our small bags… And, starting, the sweetest countdown to the airport…. Destination: the Mediterranean isles of Malta and Sicilia!

...welcome to the Mediterraneo

_______________________________________

…apesar de ser difícil de admitir, a verdade é que sempre temos inveja (de forma saudável, por favor) daquelas pessoas que estão sempre a viajar… Ah, que vida idílica!… Há tantas coisas para ver… Tantos lugares para ir… Tanta coisa por descobrir… Que, se pudéssemos, o faríamos todos os dias!

… mas, a verdade, é que, mesmo assim, viajamos em todo e cada dia! Sim, é mesmo!… E gosto tanto como soa que vou tomar a liberdade de dizê-lo novamente: viajamos TODOS os dias!

Viajamos, não apenas no sentido estrito da palavra – que entende-se como o simples acto de deslocação de um lugar para outro – mas, numa perspectiva muito mais ampla: toda a trajectória, desde que surge a inspiração através de um filme, um livro, uma conversa… Viajamos constantemente, no tempo e no espaço, criando imagens, sonhando com novos locais, próximas aventuras… E, isso, é também viajar.

Agora, embora ainda estejamos no nosso escritório principal (i.e. “lar doce lar!”), não conseguimos evitar o sentimento de já ter iniciado a viagem: o facto de ler sobre lugares e curiosidades, pesquisar fotografias e documentários, consultar mapas e itinerários, reserva voos e hotéis, fazer (mentalmente) as nossas pequenas malas de viajem… E, começar, uma entusiasta contagem decrescente para o aeroporto… Destino: as mediterrâneas ilhas de Malta e Sicília!

Statuses

(travel diary) DAY 1: a night at the museum…

In EUA,Fotografia,Life,New York,NY,NYC,Photography,Portugal,Travel,Viajar on April 26, 2012 by "Our traveling without moving!..." Tagged: , , , , , , , ,

Our “american experience” started even before entering the plane: when a bunch of police officers, literally, invaded the boarding gate, asking everyone to leave for, what they called, “security reasons”… Is this a normal procedure? Are we safe? Are we still in Lisbon?! Well… yes, yes and yes! Despite all the display it was simply to check our bags… again! So, let’s get to that plane, New York is waiting for us!

After 8 hours of flight – that seemed like a Saturday evening in our couch watching movies under the blanket – we get to Newark: line for checking, line for stamping, digital prints taken, baggage picking, transhipment to airtrain then train and… (ufff!) finally, we get our feet in New York soil!

Leaving Penn Station we are confronted with the frenzy that only NYC has: streets full of people crossing from side to side, taxi cabs (yellow cabs!) everywhere, bright neon signs… the excitement is such that we barely stop to think and see (really) where we are in… and look up and up (and a little more up!) and see ourselves surrounded by skyscrapers and… at the end of the street, the flaring Empire State Building! Yes, now, we believe we’re here!

Imbued by the energy of this city, we get to the hotel and, as soon as our bags touched the bedroom floor, we leave immediately with a cup of coffee in our hand – our “jet lag killer” during our stay – and headed to MoMA: today’s afternoon was free entry!

Although we kind of “hate” making non sense rankings, can’t take it anymore, we have to confess… we absolutely loved MoMA! We’re sorry Centre Pompidou…  Sorry Museo Reina Sofia… So sorry Tate Modern… but, for modern art, this is THE place: facing Pop Art icons like Andy Warhol and Roy Lichtenstein, staring at the aesthetical Alexander Calder’s mobile sculptures, our treasured Salvador DaliPicasso, Pollock, Rothko, Kandinsky, Frida Kahlo, Matisse and the truly unforgettable colour depth of Van Gogh’ Starry Night…  I wish I could come here EVERYDAY (sigh)…

…while we were hanging around the bohemian artists inside the MoMA, the night fell in the city covering everything with a sequined gloss that we follow leading our way through the streets, but… How could we go without steping on the 5th Avenue? How could we go without passing the Rockfeller Center? …the Radio City Music Hall? …the Broadway? …the heart of New York, the center of the world, the Times Square?

Here, we believe, that the city never sleeps (although we are a bit sleepy …could it be ‘jet lag’? …or could it be due to the fact that we are awake for 24 hours now?!), watching the world passing by around us and enjoying the flavour of that moment…
…maybe it’s time to return to the hotel… maybe not!… Is difficult to admit that you’re tired when you’re living a dream… but tomorrow it’s a brand new day and we’re going to seize it! So… C’mon, let’s take a rest!

P.S.: 4 A.M. in New York… eyes wide open… Jet lag has entered the building!…Oohh…

_____________________________________________

A nossa “experiência americana” começa ainda antes de entrar no avião: quando um grupo de polícias, literalmente, invadem a porta de embarque, pedindo a todos para sair por, o que chamaram de, “razões de segurança”… É este um procedimento normal? Estamos seguros? Ainda estamos em Lisboa? Bem… sim, sim e sim! Apesar de todo o alvoroço, a actuação era, simplesmente, para verificar as malas… de novo! Assim sendo, entremos nesse avião que Nova Iorque está à nossa espera!

Após 8 horas de voo – que parecia uma tarde de sábado no nosso sofá assistindo filmes debaixo do cobertor – chegamos a Newark: fila para verificação, fila para carimbo de passaporte, impressões digitais controladas, recolha de bagagem, transbordo para o Airtrain e para o comboio depois… (Ufff!) finalmente, temos os nossos pés no solo de Nova Iorque!

Saindo de Penn Station, somos confrontados com o frenesi que só NYC tem: ruas cheias de pessoas atravessando de um lado para outro, táxis (táxis amarelos!) em toda parte, brilhantes sinais de néon… a excitação é tal que mal paramos para pensar e ver (realmente) onde estamos… e olhar para cima, para cima e um pouco mais acima (!) e ver-nos cercados por arranha-céus e, no final da rua, o único Empire State Building! Sim, agora, acreditamos que estamos aqui!

Imbuídos pela energia da cidade, chegamos ao hotel e, mal a nossa bagagem toca o chão do quarto, partimos novamente de café na mão – a nossa arma contra o “jet lag” durante a estadia – e dirigimo-nos ao MoMA: hoje a tarde é entrada livre!

Embora deteste fazer rankings sem sentido, não aguento mais, temos que confessar… simplesmente amámos o MoMA! Desculpe excelentíssimo Centre Pompidou… Sinto muito Museo Reina Sofia… Desculpa Tate Modern… mas, para arte moderna, este é ‘O’ lugar: estar perante ícones da pop art, como Andy Warhol e Roy Lichtenstein, olhando para os estéticos mobiles de Alexander Calder, o nosso precioso Salvador Dali… Picasso, Pollock, Rothko, Kandinsky, Frida Kahlo, Matisse e o verdadeiramente inesquecível colorido de “Noite Estrelada” de Vincent Van Gogh… Como gostava de poder vir aqui TODOS os dias (suspiro)…

…enquanto estávamos com os artistas boémios do MoMA, a noite caiu na cidade cobrindo o nosso caminho com um brilho de lantejoulas que não duvidámos em seguir… assim, chegamos ao coração de NY, ao umbigo do mundo: a Times Square! Aqui, acreditamos, que a cidade nunca dorme (apesar de já nos sentirmos um pouco sonolentos …será ‘jet lag’? …será devido ao facto de estarmos acordados há 24 horas?) e ficamos imóveis, vendo o mundo girar à nossa volta e saborear o momento.



Talvez seja hora de voltar para o hotel… talvez não!…  É difícil admitir que estamos cansados quando estamos dentro de um sonho… mas amanhã é um novo dia e queremos aproveitá-lo! Então, vá, vamos lá descansar!

P.S.: 04:00 em Nova York… olhos abertos… o ‘jet lag’ oficialmente chegou! Oohh!…

Photos

…you know that awkward moment, when a song is, simply, stuck in your head?…

…well, this resumes perfectly the last days… where, in every move, we feel like humming “ta ta tarara, ta ta tarara”… and only because we dreamed so much about this day… so much about this trip… that, finally, we see ourselves in the airport, just one step away of the plane… one step away of America… one step away of a dream: New York… here we go, so, as Sinatra would say, start spreading the news: we’re leaving today… I want to be a part of it: NEW YORK, NEW YORK!…

…see you in the other side of the Atlantic!

_________________________________________________

…conhecem a estranha sensação quando uma música, simplesmente, não nos sai da cabeça?…

…bem, isto resume perfeitamente os últimos dias… onde, a cada movimento, trauteamos “ta ta tarara, ta ta tarara”… e tudo porque sonhámos tanto com este dia… sonhámos tanto com esta viagem… que, finalmente, vemo-nos no aeroporto, a um passo do avião… a um passo da América… a um passo de um sonho: Nova Iorque… aqui vamos nós, assim que, como diria Sinatra, start spreading the news: we’re leaving today… I want to be a part of it: NEW YORK, NEW YORK!…

…vemo-nos do outro lado do Atlântico!

(beetwen travel!) …start spreading the new!

Tagged: , , , , , , , on April 17, 2012 by "Our traveling without moving!..."

19 Comments

Photos

Airports… people coming, people going… the sweetest goodbye, the warmest welcome… tears of joy, tears of sadness… excitement and disappointment, people from all over the world… All in one place: the airport!

Every airport shares a spectrum of human emotions, that is a fact, but, between welcomes and goodbyes, symbolizes progress and freedom, offering the ‘mirage’ of the desired get away, a place where dreams and reality come together and, where, nowadays, architects get the chance to design on a grand scale. That’s the specific case of the rewarded Madrid’s Airport: a large scale master piece and a “door” for our last escape – Istanbul!

This project, for Terminal 4, by Richard Rogers is an example of modernism and functionalism in the same space, winning the Stirling Prize in 2006 and also, in 2007, the Pritzker Architecture Prize for the compilation of all his work (which includes the renowned Centre Pompidou, in Paris, or the Millennium Dome, in London).

  _________________________________________________

Aeroportos… pessoas que vêm, pessoas vão… um doce adeus, uma efusiva recepção… lágrimas de alegria, lágrimas de tristeza… excitação e decepção, pessoas de todo o mundo… Tudo num só lugar: o aeroporto!

Cada aeroporto partilha um espectro de emoções humanas, isto é um facto, mas, entre chegadas e partidas, é também um espaço que simboliza progresso e liberdade, que nos oferece a “miragem” de uma fuga desejada, um lugar onde o sonho e a realidade unem-se e, onde, hoje em dia, os arquitectos têm a oportunidade de projectar em grande escala. Esse é o caso específico do Aeroporto de Madrid: uma obra-prima em grande escala e a  “porta” para a nossa última fuga: Istambul!

Este projecto, para o Terminal 4, realizado por Richard Rogers é um exemplo de funcionalidade associada ao modernismo, tendo sido reconhecido com o Prémio Stirling, em 2006 e, também, em 2007, o Prémio Pritzker pela compilação de toda a sua obra (que inclui os reconhecidos Centre Pompidou, em Paris, ou o Millennium Dome, em Londres).

(beetwen travel!) Airports…

Tagged: , , , , , , , , on January 11, 2012 by "Our traveling without moving!..."

34 Comments